spot_img
sexta-feira, agosto 12, 2022

Global Statistics

All countries
593,527,617
Confirmed
Updated on 12 de August de 2022
All countries
563,764,247
Recovered
Updated on 12 de August de 2022
All countries
6,449,394
Deaths
Updated on 12 de August de 2022
sexta-feira, agosto 12, 2022

Estatisticas global

All countries
593,527,617
Confirmados
Updated on 12 de August de 2022
All countries
563,764,247
Recuperados
Updated on 12 de August de 2022
All countries
6,449,394
Mortes
Updated on 12 de August de 2022
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Saída de presidente da Caixa é iminente após denúncias de assédio sexual

O governo Jair Bolsonaro montou uma operação emergencial para estancar a crise política envolvendo o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. O executivo é acusado de assédio sexual, em uma investigação sigilosa em curso no Ministério Público Federal, segundo reportagem do jornalista Rodrigo Rangel, no Metrópoles.

Em reunião urgente ocorrida na noite de terça-feira (29/06), no Palácio da Alvorada, Bolsonaro e seus aliados decidiram que as denúncias são graves e podem manchar a reputação do chefe do Executivo com o eleitorado feminino, público que ele luta para conquistar votos.

Os ataques mais veementes contra a permanência de Pedro Guimarães na Caixa partiram do Centrão. Há tempos eles se mostram preocupados com mau desempenho de Bolsonaro com o eleitorado feminino. Semanas atrás, os líderes chegaram a defender o nome da ex-ministra da Agricultura Teresa Cristina para ser vice na chapa da reeleição. Mas a ideia não prosperou. Com as denúncias de assédio sexual na Caixa, o presidente resolveu, na noite de ontem, demitir Pedro Guimarães da presidência do banco.

Segundo apurou o Correio, a expectativa agora é tentar emplacar um nome feminino no lugar de Guimarães.

Notificação por flexões

Não é a primeira vez que autoridades recebem denúncias quanto à conduta de Pedro Guimarães. No fim do ano passado, durante um evento de metas, o executivo pediu a funcionários da Caixa que fizessem flexões de braço.

O Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal notificou Guimarães e recomendou que o presidente da instituição se abstenha de submeter os colaboradores a casos de mesmo teor e outras ‘situações de constrangimento no trabalho’ sob pena de abertura de um procedimento investigatório e adoção de medidas para correção da conduta, sem embargo de responsabilizações civil, criminal e administrativa’.

O texto do MPT-DF destacou que o gesto consistia em violência psicológica, tendo o ‘condão de produzir graves consequências à saúde mental dos trabalhadores’.

Nas denúncias de assédio, funcionárias do banco relatam os abusos. Guimarães é acusado de passar a mão nas mulheres, convidá-las para quartos de hotel em viagens, além de cometer assédio verbal.

A expectativa é de que a saída de Pedro Guimarães seja oficializada nas próximas horas. Até o momento, ele não se pronunciou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Quirinópolis

ARTIGOS RELACIONADOS