spot_img
quinta-feira, junho 30, 2022

Global Statistics

All countries
552,394,980
Confirmed
Updated on 30 de June de 2022
All countries
524,926,580
Recovered
Updated on 30 de June de 2022
All countries
6,357,308
Deaths
Updated on 30 de June de 2022
quinta-feira, junho 30, 2022

Estatisticas global

All countries
552,394,980
Confirmados
Updated on 30 de June de 2022
All countries
524,926,580
Recuperados
Updated on 30 de June de 2022
All countries
6,357,308
Mortes
Updated on 30 de June de 2022
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

COVID-19: O QUE PODE MUDAR COM O FIM DA EMERGÊNCIA

Anunciada no último domingo (17), o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin) da covid-19 impactará em dezenas de Leis aprovadas durante a pandemia, que tiveram sua validade vinculada à vigência do estado de emergência.

Em vigor desde o dia 3 de fevereiro de 2020, o estado de emergência serviu como base para uma série de medidas de prevenção, controle e contenção para enfrentar a doença. Uma portaria encerrando a vigência e detalhando a transição deve ser publicada nesta quarta-feira (20). A decisão do governo não tem amparo da Organização Mundial de Saúde (OMS), que defende a continuidade das restrições impostas para conter a propagação do coronavírus.

A Lei nº 13.979/20, que dispõe sobre as medidas de enfrentamento à pandemia, foi atrelada à vigência da Espin. Foi esta lei que possibilitou, entre outras medidas, a importação de produtos e insumos sujeitos à vigilância sanitária sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a eventual restrição excepcional da entrada de viajantes no país.

Em coletiva de imprensa realizada nessa segunda-feira (18), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que as políticas públicas de saúde serão mantidas após o fim da Espin. “É necessário que haja uma transição para que não tenhamos prejuízos na assistência à saúde. Quero frisar que nenhuma política pública de saúde será interrompida”, disse Queiroga.

A vacina Coronavac, fabricada pelo Instituto Butantan, ainda não possui registro para uso definitivo junto à Anvisa. A pasta da Saúde solicitou à agência a prorrogação do uso emergencial do imunizante por um ano, que poderá ser utilizado para o esquema primário da população entre 6 e 17 anos. A Coronavac não será mais utilizada para a imunização primária de adultos e nem como dose de reforço.

Entre algumas outras leis que foram atreladas à vigência da Espin, estão a da telemedicina; as medidas específicas de enfrentamento à violência doméstica; as medidas de proteção aos entregadores que prestam serviço a aplicativos; a criação do programa Pró-Pesquisa Covid-19; e o afastamento de gestantes não imunizadas do trabalho presencial.

Se não sofrerem revisões, estas leis perderão o efeito. A expectativa é que o ato normativo que encerra a vigência da Espin traga os ajustes necessários para estas e outras normas atualmente em vigor.

A reportagem questionou ao Ministério da Saúde se havia um levantamento de quantas leis tiveram a validade atrelada a situação de emergência, mas não obteve resposta até o final da elaboração desta matéria. O espaço segue aberto para eventuais manifestações.

Veja algumas leis que foram atreladas à vigência da Espin:

  • Lei 13.989/20 – Dispõe sobre o uso da telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus;
  • Lei 14.022/20 – Dispõe sobre medidas de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher e de enfrentamento à violência contra crianças, adolescentes, pessoas idosas e pessoas com deficiência;
  • Lei 14.128/21 – Dispõe sobre a compensação financeira para os profissionais de saúde que tornarem-se permanentemente incapacitados para o trabalho por conta da covid-19 ou, em caso de óbito, ao cônjuge e/ou dependentes;
  • Lei 14.217/21 – Dispõe sobre medidas excepcionais para a aquisição de bens e de insumos e para a contratação de serviços destinado ao enfrentamento da covid-19;
  • Lei 14.297/22 – Dispõe sobre medidas de proteção asseguradas ao entregador que presta serviço por intermédio de empresa de aplicativo de entrega;
  • Lei 14.305/22 – Cria o Programa Prioritário Pró-Pesquisa Covid-19;
  • Lei 14.311/22 – Regulamenta o afastamento do trabalho presencial de mulheres gestantes não-vacinadas contra a covid-19.

 

SUA CONTA DE EMERGIA ESTÁ MUITO CARA? ENTÃO ASSISTA O VÍDEO ABAIXO:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Quirinópolis

ARTIGOS RELACIONADOS