spot_img
segunda-feira, maio 16, 2022

Global Statistics

All countries
522,687,328
Confirmed
Updated on 16 de May de 2022
All countries
478,583,941
Recovered
Updated on 16 de May de 2022
All countries
6,289,258
Deaths
Updated on 16 de May de 2022
segunda-feira, maio 16, 2022

Estatisticas global

All countries
522,687,328
Confirmados
Updated on 16 de May de 2022
All countries
478,583,941
Recuperados
Updated on 16 de May de 2022
All countries
6,289,258
Mortes
Updated on 16 de May de 2022
spot_imgspot_imgspot_img

Alta do diesel pode gerar greve dos tanqueiros em Minas Gerais

O Sindicato das Empresas Transportadores de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Minas Gerais (Sindtanque-MG) organiza assembleia para esta sexta-feira (13) para definir a posição da categoria em relação ao aumento de 8,9% do diesel. A tendência é de uma paralisação em todo o setor de transporte de combustíveis. A informação é do presidente do Sindtanque-MG, Irani Gomes.

A mudança de preço foi feita pela Petrobras na última segunda-feira e elevou o valor do combustível nas bombas em torno de R$0,36.

“A paralisação está para ocorrer nacionalmente. É uma realidade. O transportador hoje não está tendo condições de abastecer o óleo diesel. Está sendo desesperador para o tanqueiro, para o caminhoneiro autônomo, empresários, distribuídoras”, disse Irani.

O sindicalista afirmou que além da assembleia marcada, também há conversas com o governo federal para pressionar contra a política de Preço de Paridade de Importação (PPI) da Petrobras, além do pedido de redução da alíquota do ICMS estadual sobre o diesel.

Os tanqueiros desejam um índice de 12%, contra os 15% tributados pelo governo de Minas. Outra linha de atuação é junto às distribuidoras para reajuste das tabelas de frete.

“Caso o governo não se mover, distribuidora não se mover, Petrobras não se mover, e nós entendemos que os três têm que se mover, nós iremos paralisar nossas atividades”, sinalizou Irani Gomes.

Ele ainda afirmou que a mudança no Ministério de Minas e Energia, feita pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), não resolve os problemas de precificação dos combustíveis. O então ministro, o almirante Bento Albuquerque, foi exonerado na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira (11).

Para o cargo, Bolsonaro nomeou o economista Adolfo Sachsida, que deixou a chefia da Assessoria Especial do Ministério da Economia. “Não acreditamos em mudança nenhuma. Enquanto a Petrobras não se posicionar acerca da PPI, se não mudar a PPI, nós não acreditamos que o combustível venha reduzir”, criticou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Quirinópolis

ARTIGOS RELACIONADOS